domingo, 18 de junho de 2006

A verdadeira princesa...

Estou um bocado farto de ter de ouvir a música Princesa do Boss Ac em todo o lado. É na rádio, é na televisão, é nos elevadores, é nas casas de banho quando estou a fazer o xixi e o cócó. Por vezes faço o xixi e o cócó em simultâneo. É giro, experimentem. Bom, da última vez que ouvi esta música, decidi analisar o conteúdo da letra, e cheguei a uma conclusão tão ou mais fabulosa do que qualquer coisa contida no Código Da Vinci. A letra contém uma mensagem subliminar. Partilho agora convosco a verdadeira letra da irritante música do senhor Boss Ac, Princesa (Beija-me outra vez).

Pomada Halibut (besunta-me outra vez)

Tu és,
Tudo aquilo que um homossexual pode querer
Dás-me prazer, tás ao meu lado para me defender
Adoro a tua côr
Quando te passo no meu rabo, acredita eu paraliso
És bonita, branquinha, tão atraente
Derretes-me todo com a tua embalagem inocente


Assaduras no meu rabo contigo parecem brisas
Tu não só cicatrizas, como tu deslizas
Aliviaste-me no dia em que te conheci
Fico fulo da vida quando a vaselina olha para ti
Ao mesmo tempo sinto-me tão bem
Pela tua acção calmante, cicatrizante, regeneradora,
E também por saber que por te ter, mais ninguém tem

Pomada Halibut,
Besunta-me outra vez
Faz a assadura do meu rabo passar, só mais uma vez
Pomada Halibut
Halibut...

Adoro fazer bolinhas com os pêlos do meu peito
Quando te tenho no meu rabo pra mim o mundo é perfeito
Adoro os fins-de-semana passados em São Domingos de Rana
De óleo de fígado de bacalhau, e do Santana
Fazer o amor anal contigo é ir ao céu e voltar,
É levar com o instrumento do amor do Cajó, é prazer e ao mesmo tempo é gritar
Adoro os nossos momentos picantes
Ser passivo e depois activo, tudo por breves instantes
A tua embalagem é mel, tocares em mim é magia
Adoro copular contigo, e ter a tua refrescante companhia
Antes que seja que tarde demais, quero dizer
Que faço tudo para não te perder, para não te perder

Pomada Halibut,
Besunta-me outra vez
Faz a assadura do meu rabo passar, só mais uma vez
Pomada Halibut
Halibut...

Schhhh, não digas nada,
Besunta-me outra vez com esse teu sistema doseador de fada
Há pomadas que ainda estão por inventar
E por mais que tente nunca hei-de conseguir explicar
Não sei se é ardor, não sei é frio
Só sei que sem ti sinto o meu rabo vazio
Adoro quando nos sentamos no sofá com edredon
A luz apagada, Boy George é o som
Levo com ele no escuro, o silêncio diz tudo
O olho do cú é cego e por vezes também é mudo
És tu quem eu quero, eu sou sincero
Não digas nada, besunta-me outra vez

Pomada Halibut,
Besunta-me outra vez
Faz a assadura do meu rabo passar, só mais uma vez
Pomada Halibut...

Abraços.

6 comentários:

Lisa disse...

Ai, ai... É a tontice, levada ao seu ponto mais extremo. Está muito bom, como sempre!

Pratas disse...

LOL o que eu me ri :)

Miguel Bastos disse...

Quero esta musica nos tops!
Acredito que dê baile a qualquer D'zrt e FF's :P

Abraços!

MigL

Carlita disse...

Lido tem piada, mas ao vivo é outra coisa!!!

Vicious disse...

Gajo, isto é talvez a coisa mais genial que tu escreveste. A sério! Beijinhos, desaparecido*

Anónimo disse...

ESTA MUSICA É A MINHA FAVORITA METAO A PASSAR NA RADIO ONDA VIVA E ETC MAIS VEZES PF